Inovação disruptiva: saia da zona de conforto e permaneça em alta

Existe uma linha muito tênue entre “não mexer em time que está ganhando” e tomar a decisão disruptiva de inovar sua empresa bem-sucedida antes que seja tarde demais.

Algumas empresas milionárias foram à falência quando decidiram manter-se em suas formas tradicionais e evitar o novo.

Empresas como a Kodak ou a Blockbuster continuaram em seus formatos iniciais porque foi assim que chegaram ao sucesso, porém novas tecnologias e modelos são criados todos os dias, mudando radicalmente os gostos e escolhas dos clientes.

Em consequência, se os clientes ficam mais exigentes, os lucros diminuem e os empresários começam a refletir quando foi a última vez que investiram em inovação. Além disso, será que os funcionários estão preparados para lidar com a criticidade desse novo público?

É nesse momento que os gestores devem chegar a uma assustadora, porém necessária, tomada de decisão: “Será que chegou a hora de ser disruptivo ou devo evitar este risco?”

Neste post, vamos discutir um pouco sobre a inovação disruptiva, de que formas podemos inovar para continuar em alta e exemplos bem sucedidos para aumentar a confiança!

Um pouco mais sobre inovação disruptiva

A inovação disruptiva busca oferecer soluções alternativas para públicos menores com foco no preço baixo e na qualidade do produto ou serviço.

A partir de novas ideias, uma companhia que já era forte no mercado pode criar uma outra divisão e focar também em novas oportunidades. Do mesmo modo que uma empresa com menos recursos pode criar algo tão inovador que passará a competir diretamente com outras já consolidadas no mercado.

Segundo uma pesquisa da Economist Intelligence Unit feita com mil empresários de diversos ramos, mais de 60% deles estão assustados com as mudanças bruscas no modo de empreender tradicional.

Estas mesmas empresas veem a disrupção como uma oportunidade de inovação e estão pensando seriamente em criar cargos ou parcerias que foquem 100% do tempo em estratégias disruptivas.

A seguir, vamos listar mudanças que podem auxiliar você neste momento.

Como começar a pensar em disrupção?

Existem alguns pontos comuns seguidos por empresas que tomaram a decisão de inovar. Dentre eles:

Fazer parcerias

Muitas vezes a disrupção pode fugir totalmente de um modelo já conhecido. Envolver-se com startups focadas nisso e fazer alianças estratégicas com outras empresas do mercado, mesmo que concorrentes, é uma forma de mudar seu negócio rapidamente.

Pense “fora da caixa”

Procure soluções além das competências tradicionais e das áreas do seu negócio. É praticamente obrigação de uma empresa pensar em inovações que auxiliem no fechamento de negócios, captura de novos clientes e venda de produtos. Nem sempre estas mudanças precisam ser caras e complicadas, em algumas ocasiões um simples reposicionamento resolve todos os problemas.

Lidere

Um bom líder dá a confiança necessária para que seus colaboradores arrisquem, mesmo que a ideia não vá para frente. Defenda, comemore e premie os esforços de todos em prol da disrupção.

Troque ideias

Convoque uma equipe heterogênea, um pouco de cada área da empresa, e crie bate-papos e brainstormings. Deixe que todos opinem e discutam. Muitas vezes um olhar novo faz a diferença.

Arrisque

A ideia de arriscar em algo novo pode ser assustadora, porém há inúmeros exemplos de empresas que pivotaram e, em vez de perderem tudo, começaram de novo e estão colhendo os frutos. Mas lembre-se, há uma grande diferença entre pivotar e abandonar seu projeto. Arriscando em um pivot, você continua com toda sua carga de experiências e reaproveita os ativos em favor de uma nova estratégia.

Ainda não conhece o termo pivotar?

A palavra “pivotar” é a transformação do verbo “to pivot” para o português. Este verbo significa girar, rodar, ou seja, pivotar é revolucionar seu negócio, se reinventar. Podemos citar como exemplos bem-sucedidos de empresas que pivotaram a PayPal, que começou voltada para palmtops, mas percebeu a tempo que seu forte eram os micropagamentos online. Outro exemplo é o Youtube, que inicialmente era um site de relacionamentos e agora é a mundialmente famosa plataforma de divulgação de vídeos.

Conheça mais ações disruptivas famosas

A indústria de entretenimento é umas das que mais busca inovações disruptivas. Dois grande exemplos que revolucionaram a forma de ouvir música e assistir filmes são a Spotify e Netflix. Ambos permitem que o cliente assista e ouça tudo o que quiser e de onde achar melhor pagando um preço muito baixo.

Outra empresa famosa é a Uber, que começou revolucionando a forma com que as pessoas se locomoviam, mas agora estão preocupados em investir em pesquisas sobre carros autônomos.

A Google rompeu barreiras ao criar uma forma de pesquisa tão eficiente que as pessoas até esqueceram o que eram as lista telefônicas. Atualmente a empresa está criando um novo projeto que mede o espaço físico sem necessidade de GPS ou outros sinais externos usando apenas um dispositivo móvel.

A vontade de inovar e continuar em alta une todas essas empresas. Quando elas acham que estagnaram, já pensam em novos formatos e mais ações disruptivas que possam levá-las ainda mais longe, mesmo que isso mude completamente seu formato original.

Apresentar inovações inéditas não é nada fácil, mas também não é impossível e pode significar a permanência da sua empresa no mercado. Se você tiver dúvidas ou precisar de um auxílio para o seu negócio, ligue para a DIWE, estaremos aguardando seu contato.

Se você gostou deste post e quiser conferir outros conteúdos educativos, continue lendo nosso blog.

Equipe Diwe

Equipe Diwe

Deixe um comentário

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Converse
com o
Deep team

O que você tem pra nos dizer? Nos unimos pelas pessoas que somos e pelo mindset que temos. E queremos compartilhar isso com você.