Growth Hacking na prática: como inovar todos os dias

Growth Hacking na prática: como inovar todos os dias

Quem trabalha com marketing certamente já ouviu falar sobre o termo Growth Hacking, certo? Este é um conjunto de técnicas e táticas, mas também vai muito além, pois representa uma forma de enxergar o crescimento do negócio.

O conceito foi definido em 2010 por Sean Ellis, no artigo “Find a Growth Hacker for your Startup”. Autor do livro “Hacking Growth“, ele é a principal referência no assunto.

Growth hacking é marketing orientado a experimentos”. (Sean Ellis)

Quem trabalha com growth hacking, faz a base de clientes da empresa crescer exponencialmente por meio de análises, com orçamento baixo, com ideias criativas e inovadoras.

Quer saber como implementar uma estratégia assim na sua empresa de forma prática e assertiva? Então continue a leitura e confira um case prático de growth hacking feito da maneira certa.

Leia também: Business analytics: entenda o conceito e aprenda os primeiros passos

Como funciona o Growth hacking?

Normalmente, Growth hacking é aplicado em startups ou empresas com orçamentos enxutos para marketing – e por isso precisam contar com a criatividade para fazer um excelente trabalho!

A prática de Growth hacking, nada mais é, do que encontrar “brechas” que podem promover o crescimento acelerado do negócio.

6 passos para aplicar Growth hacking

6 passos para aplicar Growth hacking

Ao fazer Growth hacking, é preciso entender que as etapas serão cíclicas e estarão sempre acontecendo. Ou seja, quando um ciclo terminar, outro deve começar logo em seguida, de forma constante.

A estratégia pode ser aplicada nos seguintes passos:

  1. Identificação: encontrar as dores da empresa, o que precisa ser melhorado;
  2. Brainstorming: debater e encontrar novas soluções para gerar melhorias nestes pontos críticos;
  3. Modelagem: viabilizar como as ideias serão testadas e definir quais resultados são esperados;
  4. Medição: analisar as métricas das experiências. É importante que toda decisão seja orientada por dados para serem assertivas. A estratégia só terá relevância e sentido se puder ser muito bem mensurada.
  5. Discussão: análise dos resultados para validar o experimento e saber se vale a pena ou não implementar.
  6. Repetição: comece tudo outra vez. A estratégia é cíclica, lembra? Sempre é possível melhorar!

Leia também: Aprenda os fundamentos do marketing de performance e aplique em seu negócio

Não é para sair testando tudo, pois é claro que toda modificação e testes têm um custo, exigem tempo e esforço. Portanto, escolha ideais simples de implantar e que tenham mais chances de performar bem.

Growth hacking na prática: microcase e-mail marketing DIWE

A DIWE é a primeira agência de profound marketing do Brasil e prova que o ditado “casa de ferreiro, espeto de pau” pode ser substituído todos os dias por “casa de ferreiro, espada ninja na vitrine”.

Ninguém gosta de perder resultados nas ações de marketing, não é mesmo? Isso gera frustração, retrabalho e desmotivação. O desafio era aumentar a taxa de abertura do email marketing do ProTalks, um dos principais projetos da DIWE. Ao observar e analisar o projeto como um todo, foi possível unir expertise das áreas de conteúdo e design para entender como melhorar estes números.

Felipe Sanches, Diwer responsável pela implementação dessa nova estratégia, explica como foi o processo passo a passo.

“Primeiro, observamos as chamadas de e-mail para torná-las mais atraentes, a partir daí analisamos a base de e-mails que estava recebendo estes conteúdos e realizamos uma segmentação baseada em interesses. O corpo e a estrutura de e-mail também foram alterados de forma que o conteúdo fosse entregue de forma objetiva, gerando valor e aumentando o interesse a respeito do que estava sendo ofertado”, detalha.

Qual foi o plano de ação escolhido?

Escolhemos uma ação relativamente simples, mas que muitas vezes é esquecida pelos profissionais de marketing: segmentação. Pensar em como atingir o público certo por meio da segmentação da base de e-mails, da realização de testes A/B com os assuntos e a mudança na estrutura de conteúdo foram as estratégias usadas para reverter os resultados.

Qual foi o resultado tangível/mensurável resultante da execução?

A taxa de abertura do e-mail comparando com o último e-mail enviado saiu de 8,9% para 42,6%. Os cliques passaram de 0,6% para 15,8%.

A lição que podemos tirar deste caso é que “testar e analisar os resultados deve ser uma prática constante”.

Gostou de saber como usar Growth hacking na prática para alavancar e acelerar os resultados do negócio? Continue acompanhando o blog e mantenha-se atualizado.

Taynar Costa
Taynar Costa
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *